Esta é um conto erótico narrado pela Jessica, uma morena de 21 anos nascida e criada no Rio de Janeiro (carioca da gema), que escreveu este conto para falar da “Primeira Vez com o Namorado no Motel”.

E vamos a história putaria contada pela Jessiquinha a safada;

Eu sou a Jessica tenho 21 anos morena clara 60 quilos e 1,60 de altura,  seios médios e bumbum empinado. O que vou relatar aqui é verídico. Tudo rola em como tive uma foda gostosa com o meu atual marido.

Meu marido se chama Pedro, é alto forte, alto e com um pinto de dar inveja em muito negros por ai. Eu e o Pedro amamos uma foda bem gostosa. O fato que vou contar era de quando namorávamos. Nosso namoro já estava fazendo aniversário de 2 anos, então ele começou a me chamar pra ir num motel eu nunca tinha ido mas morria de vontade, então depois de uns amassos e beijos e muito pegação, acabamos partindo para um Motel.

Ao chegar fomos logo nos pegando ele começou a me beijar segurando forte em meus cabelos e cintura, então falou no meu ouvido: me chupa cachorra safada, hoje você vai ter o que merece. E me deu uma tapa na cara fiquei louca de tesão. Não me fiz de rogada, chupei aquela saróba, engolindo tudo e babando nas bolas.

Estava uma delicia, foi quando ele me jogou na cama e começou a me chupar, passava a língua lentamente no meu grelo e depois começou com mais voracidade como se fosse a ultima vez que ele chuparia minha buceta. O orgasmo veio mas que de imediato e eu gritava: “me chupa safado . . . aii amor que delicia quero gozar de novo na sua boca”.

Foi quando ele me colocou de quatro e começou a me fuder com sua rola de 20cm e grossa. Foi fodendo com força minha bucetinha apertadinha e dizia:  “rebola cachorra no meu pau” , “vai vadia eu sei que você gosta dessa rola isso gostosa”. Então eu parei e disse deita que eu quero cavalgar, e foi o que fiz comecei a cavalgar e ele veio acariciando meu grelo, gozei loucuras e ele então disse “amor vou gozar”.

Nao perdi tempo e implorei para ele: “goza na minha boquinha” e não deu outro, ele encheu minha boca de porra grossa e quente.

Então o Pedro se  recompôs e disse:  “Agora minha cachorra quero esse cuzinho”,  “você vai me dar, não vai?”

Eu suspirei e falei para o meu marido: “não amor eu tenho medo, meu cuzinho é muito apertado”.

Mas o Pedro falou que iria faze com carinho e bem devagarzinho e prometeu que eu iria gostar. De tanto ele insistir e me beijar eu aceitei.

O safado tinha ido preparado e levou um óleo lubrificante o qual peguei e passei no seu pau e comecei a punheta-lo e ele então disse: “vira esse cuzinho pra mim”.

Fiquei de quatro com o meu rapo virado para o auto. O Pedro colocou a cabeça da sua rola na entrada do meu anus e começou a forçar a entrada, arrebentando com as pregas do meu cú. Foi quando entrou a cabeça e eu gritei de dor, ele colocou a mão na minha boca e com a outra na cintura começou a empurrar tudo.

Pedi que ele parasse por um momento para me deixasse acostuma, demorou alguns minutos e ele começou um movimento de vai e vem e foi ficando gostoso, então eu comecei a rebolar na pica e ele foi a loucura começou a bombar cada vez mais forte. Então disse que estava muito gostoso e que desse jeito iria gozar,

Então eu disse: “goza cachorro bem no fundo do meu cú”. Paulo com todo o tesão do mundo enche meu cuzinho de porra.

Após encher minha bunda de porra, caímos desfalecidos.

Related Posts

Leave a Reply

Your email address will not be published.